Como consegui sair da dor e encontrar o alívio no desapego

Podcast #4 Desapegar sem dor

Oie!

Esses dias estava me lembrando de quando era criança e adolescente e me recordei que todo final do ano quando morava com meus pais, já faz um tempinho rssss, minha mãe “obrigava” eu e minhas irmãs a fazermos uma limpeza no Guarda-Roupas. Ela dizia: “vamos abrir espaço para novas energias entrarem e outras saírem”, sinceramente, achava isso um saco, #prontofalei, mas fazia.

Percebi que desde de nova sempre tive essa ideia que precisava me desapegar das coisas, ou melhor, de muitas das minhas peças de roupas. O que fazia muito sentido na época, já que estava em fase de crescimento e perdia facilmente minhas roupas e sapatos.

Quando me casei, construí um closet, bem maior do que tinha na casa dos meus pais, e nele comecei a acumular algumas peças. Como tinha espaço não via problema algum em ter mais roupas, e naquela época já ganhava um salário melhorzinho que me possibilitava consumir mais e mais.

Bom, o que posso te contar mais daquela época é que passado alguns anos me mudei novamente e dessa vez fui para um outro apartamento maior, e adivinha só?- construí um guarda-roupas ainda maior, aqueles dos sonhos mesmo, só faltou o computador, à la Patricinhas de Beverly Hills.

Quando percebi tinha tantas peças de roupas que o guarda-roupas já estava novamente abarrotado. Isso acontecia, pois eu tinha preguiça de fazer uma limpeza no meu guarda-roupas, como tinha espaço não queria perder meu tempo organizando isso, fora que tinha apego em varias peças, muitas já não me serviam mais e outras estavam fora do meu estilo, mas ainda sim eu teimava em manter por perto toda aquela “preciosidade”.

Ou seja, desapegar gerava dor. E isso acontecia porque focava nas coisas que poderiam sair: peças…lembranças…dinheiro…sentimentos e por aí vai e nunca nas possibilidades e nas coisas bacanas que estavam ficando.

Com o trabalho de consultoria de estilo aprendi muito sobre como mudar isso, tanto comigo quanto com as minhas clientes. Realmente desapegar não é algo que fazemos do dia para a noite, exige questionamento, mas quando conseguimos entender o que realmente faz sentido em nossa vida conseguimos ter um novo olhar sobre esse acumulo.

Nessa mesma época contratei os serviços de uma personal organizer para me ajudar a organizar a minha casa, que era bem maior, e a desapegar das coisas que já não me serviam mais, que já não tinham mais sentido em minha vida.

Em menos de 1 ano, após esse trabalho de organização e desapego, me mudei de país e não tinha como levar tudo o que eu tinha, primeiro que não tenho o mesmo espaço aqui e segundo que é caro levar muitas coisas para outro país. Portanto, tive que desapegar ainda mais das minhas coisas. Não estou falando somente de roupas, mas de tudo, me desapegar da minha casa, móveis, pessoas e sentimentos.

Mas sabe que isso não foi tão difícil quanto parecia. Li muito sobre como desapegar e fiz um verdadeiro trabalho interno, ainda estou fazendo, confesso, sinto falta da família, dos amigos, da vida que tinha, mas no final de tudo senti um alívio gigantesco ao desapegar das coisas materiais.

Considero isso uma grande vitória, pois consegui me desapegar sem sentir dor das minhas coisas e de tudo que havia construído até então, para começar a construir do zero, e isso foi libertador.

Pensando nisso resolvi dividir as ferramentas que usei para conseguir chegar nesse processo, ou seja, sair da dor e encontrar o alívio no desapego.

Não sei se você sabe, mas criei esse mês uma série de conteúdo via PodCast, e esse foi o tema escolhido dessa semana, Desapegar sem Dor.

E para nos ajudar com outras ferramentas e um olhar profissional, chamei uma amiga, Simone, que é personal organizer na Organizzarte, ela me ajudou bastante com isso. Nesse bate papo tem várias dicas preciosas para você usar e começar a cultivar o desapego.

Te convido a ouvir o podcast #4 sobre desapegar sem dor, vem conhecer essas ferramentas certeiras que irão te ajudar a tirar o sofrimento desse desafio que é o desapego.

Depois me conta o que achou, pode me responder aqui nos comentários, tá?

Meu trabalho é ajudar mulheres a serem mais criativas e ousadas por meio da imagem e do estilo pessoal.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *